Usar os alimentos a nosso favor de maneira prazerosa é o segredo!

Alimentação saudável sem prazer, não é alimentação saudável. Esses dois quesitos precisam estar aliados na hora da refeição. De acordo com a gastronomia funcional, comer não precisa ser um tormento ou um momento de passar vontade e provocar um stress no seu organismo. Tudo pode ser resolvido com reeducação alimentar e novos hábitos pro seu paladar.
Comidas orgânicas carregadas de saúde e sabor ganham destaque, mas o foco dos alimentos funcionais é oferecer ao nosso organismo algum efeito fisiológico ou que tenha ação em nosso metabolismo de forma a resultar mais saúde e bem estar.
A principal função dos alimentos é nutrir e algumas opções como hortaliças, vegetais, cereais, frutas e legumes vão além. Oferecem ao organismo vitaminas, fibras, ação antioxidante, etc.
 
Além disso a gastronomia funcional trabalha de forma individual, afinal o que é bom para uma pessoa, pode não ser boa para outra. Uma dieta à base de proteína pode funcionar bem de modo geral, mas se a pessoa não ingerir carne, por exemplo, sua fonte de proteína fica reduzida e como trabalhar essa questão? A gastronomia funcional considera as características cotidianas e bioquímicas e não é indicada só para pessoas que queiram substituir a dieta, indivíduos com restrição ou alergias alimentares tem buscado na gastronomia funcional uma boa opção para comer bem.
 
Alimentar-se de forma funcional também pode prevenir uma série de doenças, além de contribuir para as diversas defesas do organismo. Os alimentos tidos como funcionais são orgânicos, ou seja, não utilizam adubos químicos ou agrotóxicos, o que também acaba sendo mais benéfico para a saúde. Alimentos probioticos, que ajudam a flora intestinal e os ricos em ômega 3 que melhoram o funcionamento do cérebro também são considerados funcionais.
O modo de preparo dos alimentos também é um ponto importante na gastronomia funcional, como por exemplo o cozimento a vapor, a retirada de cascas e sementes, a temperatura ideal para cada alimento, a adição de azeite de oliva no lugar de óleo, entre outros pontos.
 
Existem hoje muitos nutricionistas especializados que avaliam o quadro de cada paciente e prescrevem os alimentos indicados, considerando o gosto alimentar de cada um e suas restrições, como intolerância a lactose ou glúten. Receitas saborosas também são muito indicadas por chefs em sites ou revistas do meio, elevando o conceito de sabor e prazer, independendo da opção alimentar. A mudança por conta própria dos hábitos alimentares pode não refletir do modo esperado, por isso consulte sempre um especialista, é para isso que eles estão a disposição.

Por : Mariana Gouveia